segunda-feira, 17 de novembro de 2008

Talício conta o que Amargência ouviu

"Minha casinha é bem pequena, e nela tem um ponto de comécio - o comércio quebrou e fiz do ponto meu quarto, meu e de minha filha. Ontem aconteceu comigo o seguinte caso":
Ixo foi o que mim falô a Dona Amargência e eu num pudia ficá sem contá procês...
Ela tava no quarto. ex-ponto comercial, com sua filhinha que já durmia, quano ouviu exa cunversa:
- Bora, come esse negóço, aí...
- Tá bom, e me dá um pôco da pinga tumém!
...
- Tá gostoso exe tira-gosto?
- Tá ótimo!
...
- E aí, você vai me dá?
- Hum, rum...
- Que bom... olha. ali naquele muro só tem materiá de construção... a gente pula o muro...
- Certo, mas quanto você vai me pagá?
- Três real...
- Três real, mas é muito barato!!
- Mas é o que tein-o...
- Tu é doido!? Teus amigo tumém me queria, se eles sobé que te dei por exe preço eles vão tudo querê me pegá tumém!
...
- Tua mulé num dixe que ia te dá o Borsa-Inscola?
- Ela lá deu nada! Ela ficô cum tudo...
- Mas você mim dixe que ela ía te dá o Borsa-Inscola...
- Már num deu...
- Mas tá muito barato, posso te dá assim não...
- Olha, eu num comprei a pinga? num comprei o tira gosto? Agora só tein-o os três real...
- Mas tá pôco... se fosse pelo menos cinco... ele num vale só isso não... eu tein-o valô... eu num valho só três real!
- Não, min-a minina, você vale um milhão... UM MILHÃO!!! Se eu tivesse um milhão eu te dava, mas só tein-o três real... toma pega...
- Me dá... mas inda acho que é pôco...
- Vai, come mais do tira-gosto!
- Já tá fríi, tá todo gordurento...
- É tripa né, mulé... se você num tivesse ficado discutino e tivesse comido, eu já tava cumeno tumém!!
- Sei não... três real num dá pra nada!
- Pois tá bom... vamo fazê assim... tu me dá hoje por três real... amanhã eu vô junta o que eu pegá dos papelão que eu vendê e te dô quinze real!!!
- Quanto!?
- QUINZE... quinze real!
- Assim ta bom, você me dá os quinze real e te dô amanhã de novo...
- Óia, hoje é segunda, você me dá amanhã, na quarta e na quinta, tá bom?
- Tá... mas olha lá... me tráz os quinze real, mesmo, senão não te dô mais de jeito nin-um!
- Peraí, me dá o din-êro... ... ... ...
- Que que cê foi fazê homi?
- Cumprei dois real de cigarro, um pra tu e um pra eu!
- Ah, bom, afinal depois de uma tem que tê o cigarrin...
- Pois é, mulé, agora vamu...
- Vamu!!!
Ô negóço da mulésta!!!

5 comentários:

Débora disse...

Olá,Rui
Que saudades de vc....Continuo com o Blog inativo,mas como senti saudades dos amigos,estou visitando a todos..
Vc tb anda sumido,hein!Isso aqui está parado!!
Mas,o Talício é uma figura!!!
Três reais??Nossa...que desvalorização absurda!Deve ser a Crise...rs

bjs

*Estou com post no Anarquista!

Ângela Coelho disse...

A crise pegou feio desta vez! Desvalorizou total a profissão mais antiga que existe.Do jeito que está o país, vão começar a trocar por pão e leite.
Abraços.

Mari disse...

Oi,querido Rui

Nossa..kd vc,homi???

Eu tb andei sumida,mas já vim nos blogs dos amigos para desejar um FELIZ NATAL e UM ANO REPLETO DE COISAS BOAS!

Saudades de vc,amigo
Bjs

Srta Diazepan disse...

voltei! =)

apareça tb!

beijo e feliz ano novo

Gabriella Santos disse...

Querido amigo.
Mesmo com a ausência pude ver que vc continuava frequentando o Horizonte Máximo.
Grande beijo e estou de volta.