segunda-feira, 17 de novembro de 2008

Talício conta o que Amargência ouviu

"Minha casinha é bem pequena, e nela tem um ponto de comécio - o comércio quebrou e fiz do ponto meu quarto, meu e de minha filha. Ontem aconteceu comigo o seguinte caso":
Ixo foi o que mim falô a Dona Amargência e eu num pudia ficá sem contá procês...
Ela tava no quarto. ex-ponto comercial, com sua filhinha que já durmia, quano ouviu exa cunversa:
- Bora, come esse negóço, aí...
- Tá bom, e me dá um pôco da pinga tumém!
...
- Tá gostoso exe tira-gosto?
- Tá ótimo!
...
- E aí, você vai me dá?
- Hum, rum...
- Que bom... olha. ali naquele muro só tem materiá de construção... a gente pula o muro...
- Certo, mas quanto você vai me pagá?
- Três real...
- Três real, mas é muito barato!!
- Mas é o que tein-o...
- Tu é doido!? Teus amigo tumém me queria, se eles sobé que te dei por exe preço eles vão tudo querê me pegá tumém!
...
- Tua mulé num dixe que ia te dá o Borsa-Inscola?
- Ela lá deu nada! Ela ficô cum tudo...
- Mas você mim dixe que ela ía te dá o Borsa-Inscola...
- Már num deu...
- Mas tá muito barato, posso te dá assim não...
- Olha, eu num comprei a pinga? num comprei o tira gosto? Agora só tein-o os três real...
- Mas tá pôco... se fosse pelo menos cinco... ele num vale só isso não... eu tein-o valô... eu num valho só três real!
- Não, min-a minina, você vale um milhão... UM MILHÃO!!! Se eu tivesse um milhão eu te dava, mas só tein-o três real... toma pega...
- Me dá... mas inda acho que é pôco...
- Vai, come mais do tira-gosto!
- Já tá fríi, tá todo gordurento...
- É tripa né, mulé... se você num tivesse ficado discutino e tivesse comido, eu já tava cumeno tumém!!
- Sei não... três real num dá pra nada!
- Pois tá bom... vamo fazê assim... tu me dá hoje por três real... amanhã eu vô junta o que eu pegá dos papelão que eu vendê e te dô quinze real!!!
- Quanto!?
- QUINZE... quinze real!
- Assim ta bom, você me dá os quinze real e te dô amanhã de novo...
- Óia, hoje é segunda, você me dá amanhã, na quarta e na quinta, tá bom?
- Tá... mas olha lá... me tráz os quinze real, mesmo, senão não te dô mais de jeito nin-um!
- Peraí, me dá o din-êro... ... ... ...
- Que que cê foi fazê homi?
- Cumprei dois real de cigarro, um pra tu e um pra eu!
- Ah, bom, afinal depois de uma tem que tê o cigarrin...
- Pois é, mulé, agora vamu...
- Vamu!!!
Ô negóço da mulésta!!!

quarta-feira, 5 de novembro de 2008

NOVELA: capítulo 8

- Que coisa, esse telefone que não atende, meu Deus!!!
E Solépatra sai do apartamento, e vai pensando no que vai rolar entre ele e o casal de criados, safados, que tem em casa...
Pensa no que vai fazer com eles, imagina muita safadeza... e voa para casa...
Ao chegar em casa, vê aquela coluna de fumaça... desesperado, abre o portão e vê sua casa tomada pelo fogo... sem saber o que fazer Solépatra corre até próximo da casa e escuta algumas pequenas explosões e desabamentos vindos de dentro da casa... vira-se e vê o casal na piscina... embriagados, nus e muito contentes - rindo-se muito daquela situação trágica!!!
- EI, O QUE VOCÊS ESTÃO FAZENDO AÍ??? ãh!!! O QUE É ISSO!!!
- Nada, patrãozinho, disse a cozinheira assanhadinha - só estamos fazendo com você o que você passou a vida fazendo com a gente - e solta uma ruidosa gargalhada...
- É isso mesmo, meu patrãozinho, só estamos nos antecipando... antes que o senhor f... com a gente a gente já te fu... - há há há há há há...
- Isso é um... um... despropósito!!!
- Des... o quê, patrão? - zomba a nua da piscina!!
- Vistam-se e saiam dessa piscina, agora!!!
- Por que patrão? O que você fará com a gente...
- Vai nos despedir? - há há há há há...
Calmamente, Solépatra vai até à margem da piscina, senta-se numa espreguiçadeira que está sob um grande guarda-sol:
- Vocês são muito pequenos mesmo... acham que isso abala minha riqueza? que isso abala minha fortuna? Não, não abala mesmo... vocês já ouviram falar em seguros-contra-incêncio? seguros-contra-roubos? seguros-contra-atentados?
- Minha pequena casa, avaliada em 3 milhões de reais está completamente coberta pelo seguro... receberei pela insanidade de vocês dinheiro suficiente para construir outra maior e mais bonita... e quanto a vocês...
- Bem, quanto a vocês... cadeia - CADEIA, sim...
A bela cozinheira sai da piscina, vestida como Eva no Paraíso:
- Sim, seu bandido, mas sua família saberá de tudo, de seus roubos, de seus casos amorosos, de sua pilantragem...
- Agora, que você saiu da piscina, faça o favor a você mesma, vista-se... e...
BAAAAAAMMMM, BAAAAAAAMMMMM dois tiros certeiros estouram a cabeça da nua empregada...
Despercebidamente, o jardineiro saíra da piscina enquanto o casal discutia, pegou a arma do porta luvas de Solépatra e alvejou a jovem que cai morta na piscina... ele anda mais dois passos e dá um tiro em sua própria perna, na tíbia... arremessa a arma aos pés de Solépatra e corre manquejando, deixando um rastro de sangue nas calçadas...
Neste momento chegam a polícia e o corpo de bombeiros, acionados pela vizinhança...
Ao verem uma jovem morta, tingindo de vermelho a água da piscina, um rapaz correndo e caindo com a perna ferida, um homem atônito com uma pistola aos seus pés, a polícia se arma e manda que Solépatra coloque as mãos na cabeça...
Algemado, Solépatra é conduzido à viatura policial, enquanto alguns para-médicos do corpo de bombeiros cuidam do jovem ferido na perna.
Ao chegar em casa, os filhos de Solépatra presenciam esta cena dantesca, de muita gente no jardim, esguinchos de água sobre a casa tomada pelo fogo, pai preso, o casal de empregados baleados e nada entendem...
Ao passar pelos filhos, Solépatra diz:
- Meus filhos, quando os bombeiros apagarem o fogo, tranquem os portões e vão para casa de seu tio Ariosvaldo... daqui a uma hora eu chegarei lá...
Os filhos se olham atônitos:
- Você não dizia que queria mudar de vida?! Que sua vida era chata e precisava de uma sacudida?! Pois bem, agora ela vai mudar radicalmente...
- Ô, se vai... mas por quê papai falou que vai ao tio daqui a uma hora?
ME AJUDEM A DEFINIR ISSO, É SÓ VOTAR NA CAIXA AO LADO

O que tens?

O que será que existe por baixo dessa pele nívea? será uma alma tão branca quanto a cor da pele anuncia? será sonhos tão claros como a neve denuncia? ou será uma alma mais escura que as intermináveis profundezas abissais? Quem habita abaixo desses negros fios de cabelo? um anjo em forma humana que não perturba mas que acompanha? uma criatura perfeita que de tão bela, não pensa ruindades ou maldades quaisquer? ou um demônio em forma de mulher, que só maquina coisas graves, que deseja o mal da humanidade, que pensa com egoísmo tudo o que faz? Quem habita essa mente? O que será que eu encontro debaixo desse peito humano? um coração saltitante, alegre, sorridente e falante? ou será que há somente, um coração duro e amargo, cheio de dores e fracassos? O que acredito exista é uma mulher nem alegre, nem triste, me vive e que não assiste de camarote sua própria vida. Virtudes e falhas a compõem e sua vida desmente seu nome, e honra sua existência.
O que tem certamente na mente, no corpo e no coração teus nada mais é que tu mesma, inegavelmente perfeita mesmo que com imperfeições, pois perfeita não é a pessoa sem falhas mas a pessoa que se conhece em si.

quinta-feira, 23 de outubro de 2008

NOVELA: Capítulo 7

Ao chegar, Robuvaldo, um loirão de mais de 2 metros olha pra secretária de Solépatra e faz-lhe um sinal para que se retire. Então, a Sra. Rapina, coroona, que liderava a auditoria, vai direto ao assunto:
- Sua empresa possui 347 funcionários registrados, mas verificamos que no total vocês têm 5243 pessoas trabalhando para sua transportadora. Isso lhe dará um auto de infração no valor de quase vinte e dois milhões e meio de previdência atrasada, há dezoito anos...
- Como é!
- Esta tudo nos autos - continuou a chiquérrima Rapina -... temos também contra você a sonegação fiscal de impostos e taxas federais, que montam cerca de cinco milhões...
Solépatra senta-se lentamente, enquanto olha pros fiscais para ver algo que possa fazer para se livrar dessa...
- Mas o que posso fazer, para diminuir ou acabar com isso?
Nesta hora o terceiro fiscal, um senhor de seus sessenta anos, baixo, redondo como uma maça, entra na conversa:
- Olhe, sabemos que estas tuas cãmeras filmam tudo... e aponta para as duas cameras localizadas na sala... queremos livrar tua cara, mas isso te custará um pouquinho de grana...
- Bem... falou a minha linguagem, estamos falando de quanto?
- Estamos dizendo que você traga as fitas dessas câmeras agora pra gente, e desligue-as...
Solépatra rapidamente levantou-se, foi ao canto da sala, abriu uma parede falsa que escondia uma estante com diversos monitores e aparelhos de gravar DVD...
Pegou todos os 16 DVDs e os entregou à D. Rapina.
- Falo em 300 - disse o velho gordo...
- Cem pra cada um?
- Sem perguntas. Trezentos no total, e você sai bem limpinho.
- Bem, eu não tenho esse dinheiro todo aqui, Vocês têm que dar um prazo...
- Sabemos que você tem um puta cofre - disse o loirão - vamos lá com você, pegar o dinheiro.
- Ótimo, vamos lá pra casa, agora!
E sai a caravana, em fila única, serpenteando pelas ruas da cidade até chegarem ao apartamento de Solépatra, à beira mar. Sobem à cobertura.
Ninguém de sua família sabia da existência desse apartamento, era seu local de orgias, e onde ele guardava o dinheiro. Solépatra conta três mil notas de cem reais e as entrega à Rapina, que lhe estorque em mais duzentos:
- Isso, meio milhão... - disse o gordinho
- Vamos sair daqui, você espera 20 minutos antes de sair... - disse Rapina...
Assim que os fiscais saem, Solépatra pega o telefone e...
ME AJUDEM A CONTINUAR ESSA NOVELINHA, VOTANDO AO LADO

Safira fala que sinceridade não é grosseria

Fiz este comentário em um blog amigo, mas achei tão legalzin que resolvi postar:
Tem gente que se acha grossa, estúpida, grosseira, e muitas vezes não é.
Há pessoas que são hiper sensíveis e tudo lhes molesta e incomoda e ofende.
Que bom que vc se acha grossa, porque ser direta não é ser grosseira, mas direta... isso faz com que você se policie e evite as reais grosserias.
Por exemplo:
Estavamos, eu e uma amiga, conversando (ela me confidenciava suas puladas de cerca), quando chegou um colega comum... então, fizemos aquela pausa e ficamos com "cara de batata que espera ser cortada em palitos e jogada no óleo".
Daí, um milagre! - pois um grama de semancou surgiu no cérebro do cara, que perguntou todo gentil:
- Tô atrapalhando alguma coisa?".
E eu - direta como sempre:
- Sim, está!... ele sem jeito pediu desculpas e saiu - mas desde esse dia ele mal fala comigo...
Minha amiga disse que fui grosseira - ser sincera é ser grosseira? Para mim a maior grosseria é mentir: "não, que é isso, pode ficar aqui, que continuaremos tão calados quanto o poste!!", isso seria grosseria...
Alguém lhe oferece um pedaço de bolo horrívelmente mal feito, você come e ela pergunta: "é bom?", seja sincera: "- não não é bom está horrível"...
Por isso, minhas amigas e amigos, antes de formular uma pergunta pense: "estou pronta para as possíveis respostas?"
Quem pergunta deve estar dispoto a ouvir qualquer coisa como resposta...
Agora, vão trabalhar, pessoal, que se teu chefe te vê lendo blog na hora do trabalho, cê tá fudiiiiiii...

terça-feira, 21 de outubro de 2008

Talício sonha com Newton

Primêro vamo lembrá que o cabra chamado Niuton era judeu (vê o nome, Isaac), e viveu a uma penca de anos atrás, e que a coitada da mulé dele só pudia sê paridêra, cunzin-êra e cuidadêra dos bruguelin barrigudin do casá...
Aí, o Niuton chegô espavorido dento de casa:
- Mulé, mulé... vem cá mulé... - correno com uma maçã na mão!!!
- Mulé... vem cá... eu discubri uma côsa mulé!!!
A dona Niuta chega correno cum pano na cabeça, cuns cabelo arrupiado e uma bassôra na mão:
- Que foi, homi de Jeová, amém, amém!!??? - Veja isso, mulé!!
Disse o Niuton cuma maçã na mão e o braço insticado:
Aí o Niuton sortô a maçã, que caiu. Claro, ela num pudia ficá afrutuano!!!
...
A dona Niuta olhô pru homi, quebrô as cadêra, pôs a mão na cintura:
- Que é homi? tu tá variano!!
- Não, mulé, vê só...
E Niuton pegô di novo a maçã, insticô o braço e sortô a maçã, que di novo caiu... O riso de Niuton num si contin-a?
- Tá veno, mulé...
- Veno o quê homi de Javé!!??
- Cai! Cê ta veno, a maçã cai!!! e riu, riu muito...
- Homi, dêxa de sê besta!!! Todo muno sabe que a maça cai!
- Sim, mulé, vê só - e repetiu a insperiênça!!!
- Homi, se num qué que caia, bota esse negóço im cima da mesa, ora!!
- Mulé tudo cai... tudo cai...
- Arre égua, homi! Depôis de véi deu pra falá bestêra, foi??!
- Você num intendi mulé!! Eu fiz uma grande discoberta!!!
- Discubriu o quê, homi... que a maça vai caíi se num ficá im cima da mesa?
- Não, muito mais!!! Discubri que tudo, tudo mesmo cai!!!
- Pronto!! Dixe a impaciente dona Niuta - aperreô di vez!! e ainda diz que as muié é mais burra que homi...
- Mulé essa diferença de secsu num entra nexa discussão, não! O negóço é grande, grande mermo... vô fica famoso no mundo todo... Vai tê facudade cum meu nome, museu, praça... tudo. E quano inventarem o prêmo Nobel vão dizê que seria muito bom se pudessem ter me dado um, e praquele tal de Leonardo!!!
- Home, chega!! Já falô bestêra de mais...
- Isso num é bestêra mulé, é ciênça!!
- E como você chegô a uma discuberta tão.. tão... tão... importante? - debocha ela
- Bem, mulé, eu tava tirando um cochilozin debaxo da maciêra que seu Dodô prantô aqui...
- Tinha que sê... eu barreno a casa, lavano a rôpa, cuidano dos barrigudin... e tu na fóga, deitado, dormino debaxo da maciêra...
- Mulé essa discussão agora não...
- Tá bem seu inerte (discubri exa palavra onti, e vô usá um bucado: inerte! inerte! inerte! - pensô ela)...
- Aí a maçã caiu na min-a cabeça, e me deu um estralo!!!
- Ainda bem que num foi o galho né!? bem que pudia sê uma bigorna - hehehe...
- Num deboxa mulé!
- Tá vai...
- Poizé... assim eu percebi que tudo cai... que tudo é atraído pela terra...
- Graaaaaaaaaannnnnnde, dãã, procê...
- E isso vai levá a quê homi, o fejão tá pôco, o arroz cabô, a farin-a só tem uma quarta, a carne só de peba - que quem caça sô eu...
- Vê se você dá um jêto de caí din-êro nu seu borso!! Ah, quem atrái as côsa é a terra num é teu borso, não, né!!
- Ora mulé, eu ve-in-o cuma notiça dexa e você me tira de tempo purque num entende!!...
- Tá home, pode sê que você ten-a razão... agora vá tomá bain que o armoço tá quase pronto...
- Mas uma côsa me preocupa...
- O quê home de Deus?
- Por que a terra atrái as côsa? Por que tudo é atraído pela terra?
- É home, a tua preocupação é grave, é muito grave mermo (debocha ela)...
- É... é grave mermo mulé... é grave mermo... é grave... é gravíssima. muito gravíssima - e sai pensano: vô coloca o nome dexa força de gravidade, mas aina tein-o que discubri o porquê que ixo acontece...
Arre... aí eu acordei e fiquei pensano, cumé que exes home e mulé das ciença cunsegue vê côsa que as pessoa comum num consegue?

sexta-feira, 17 de outubro de 2008

Eu quase de volta

ô semanas complicadas... na primeira do mês fiquei em Fortaleza, tinha tanto trabái que o único riso que eu via era o meu no espelho no banheiro do hotel de madrugada, antes de ir pro trampo... aquilo era riso ou bocejo? na segunda, fui pra Russas, ao chegar lá, o prefeito reeleito decretou feriado municipal na segunda, e na terça era dia de padroeira - feriado de novo - mas como fui pra fazer trabalhos internos, sem atender o público, tranquei-me na agência e pus-me a trabaiá. aí, meu tornozelo achou de entortar-se e lá fui eu pro chão, dentro de uma agência da Receita, sozinho, sem telefone de ninguém, numa cidade deserta e cheia de desconhecidos... torci o pé, às 10 horas da manhã, só consegui atendimento às 16 horas - ô dia longo! Hoje, 10 dias depois do incidente, o tornozelo continua inchado... Pra melhorar, meu lap-top deu pau... a tela só fica escura e parece que o conserto custa mais caro que um mais novo e com configuração melhor... assim... Não satisfeito, achei de pilotar uma motozinha, com o pé imobilizado, adivinhem.... TOMBO!!! Minha cervical ficou toda embaralhada, as vértebras trocaram tudo de lugar e a moto foi pra oficina, um dia ela volta!!!! Fui medicado por um profissional que não escuta bem: Ao lhe dizer que eu era diabético, ele - mineiro - entendeu: Torço pelo Atlético, e me disse com ar de mal moço: Sou cruzeirense... A medicação que ele passou fez meu diabetes subir astronomicamente... Cheguei em casa: vou usar o desktop de minhas filhas e postar meu blog... que é meu porto de consolação: ledo engano... O dinheiro que dei pras meninas pagarem a Internet enquanto eu estivesse viajando, elas gastaram num passeio à praia - a Net foi cortada.... Assim, vou dormir lá no quintal hoje, pra ver qual a bruxa que vem me assolar hoje ... Mas, como sempre digo: tudo bem, se eu partir nu, banguelo e careca, valeu a viagem!!!

sábado, 11 de outubro de 2008

Novela: Capítulo 6

- Sei não, Lêlê... mas acho que ele não vai pegar pesado com a gente, não! - Às vezes também acho que não, afinal ele é um cara legal! - Solépatra é legal!!? ele é um... um.. um safado! - Por que você acha que ele é um safado? - E porque você acha ele legal?! - Bem... é... - Olha Lelê, eu acho ele um safado, porque tem uma mulher maravilhosa, bons filhos, e dá em cima de todo mundo... - Ele já deu em cima de você? - Olha... é assim... - Hummm - Ele um dia me pegou nos dias de carência e... rolou... - Só uma vez? - Que pergunta? Não... me desculpe Lelê, mas eu e Solépatra somos amantes... - Que safado!!! - Sim, mas porque você acha aquele nariz empinado um cara legal? - Bem, é que quando eu cheguei do interior, não tinha onde ficar e Solépatra me ofereceu sua casa... pra eu ser jardineiro... - Sim, mas ele te paga, te enche de trabalho e vive de enchendo o saco! - Bem... querida, eu e ele também temos... um caso... - O quê!? Vocês dois são gays? - Não é bem assim, nós somos bi... - Eu não acredito!!! Assim, o casal se veste, ele meio lento, quase encabulado; ela furiosa: - Sim, meu bem... mas quando você morava com as irmãs, você também teve caso homossexual com elas... - Vai me jogar no rosto meus erros do passado!? - Não, meu amor, só quero te alertar que todos somos pecadores, e nenhum de nós é santo!!! Logo, a conversa se torna amena, e começam a beber um vinho, dois, três e decidem... - Vamos ferrar Solépatra!!! Vá na garagem e me traga gasolina Nisso ela liga o gás de todas as bocas do fogão sobe a casa rasgando as cortinas e derramando álcool, óleo de cozinha, espalhando papéis... Pega a gasolina que Lê trouxe e continua derramando: -Meu bem, pegue o vinho do porto que está na adega, leve pra piscina... E lá vem a nossa amiga cozinheira, desvairada, derramando fogo pelos quartos e corredores do segundo andar, escorre pelas escadas, sala, estúdio, biblioteca, salas, copa, cozinha... e corre rindo à piscina... Tchubum lança-se ao banho mais delicioso de sua vida... e tira sua roupa durante o mergulho. O jardineiro entra na onda e se despe também... e ficam os dois em suas bóias, completamente nus, bebendo vinho, enquanto a casa arde em chamas... - Que bom queeste jardim é grande, assim estamos protegidos do incêndio ... há há há há... Ao chegar na transportadora, Solépatra deixa sua 125 na entrada e vai direto ao escritório falar com os fiscais da Receita: - Pois não, meus bons homens!!!
AJUDEM-ME A DECIDIR O QUE ACONTECERÁ, votando ao lado

terça-feira, 7 de outubro de 2008

Uma bolsa quebra???

Lembram daquele garoto que fazia a 5ª série e vivia me perguntando coisas, terminou de me ligar e pediu pra eu explicar porque as Bolsas Quebram se são os investimentos que mais rendem dinheiro?
Em poucas palavras; é o mesmo que uma pirâmide...
Mas lá vai:
O Sr. A pede 100 dinheiros emprestado ao senhor B, que empresta.
B, pede 100 emprestado a A, antes que A pague - A, empresta.
A pede mais 50 a B, que empresta e pede a A mais 50, e a C 150
A empresta os 50 a B e 150 a C
Depois A pede 200 a D, que empresta e pede 100 a B e 100 a C...
Se as pessoas não cobrassem juros em seus empréstimos rapidamente se resolveria esta equação, mas cadaum coloca o juro que quer, no final das contas se o Sr Y diz, queroque todo mundo mostre quanto tem em dinheiro vivo... todos terão somente promissórias a receber... o dinheiro que negociam é puiramente virtual, ou seja, a liquidez não existe, então... todos vão quebrar!!!???
Só não quebram poorque o Sr. Governo dá dinheiro pra todo mundo (diga-se de passagem, que já são podres de ricos).
Aí vc me pergunta: por que o Governo dá ou empresta dinheiro a eles?
A resposta é simples: porque são esses caras muito ricos que bancam as campanhas políticas dos governantes, que uma vez eleitos têm que pagar o "investimento". Por isso que não é nada bom votar em pessoas que têm campanhas muito ricas, cheias de propagandas na TV, cheias de panfletos e carros de som - campanhas caras significam muitas alianças, quesignificam que o dinheiro do Governo irá ter que pagar quem investiu na Campanha...

Safira fala sobre informação e formação

Hoje a sociedade, mais que nunca, detém informações. Os jovens e as crianças de hoje possuem mais informações que as gerações anteriores... muito conhecimento lhes são passados diariamente nas mais diversas áreas - sabem línguas, geografia, história, informática, política, cultura, artes, saúde... e entendem tudo isso...
Mas o principal problema que encontramos hoje no meio dos jovens, adolescentes e crianças não está relacionado aos conhecimentos que possuem, pois há toda uma gama de informação, o que me preocupa é o que fazer com tudo isso. O problema é a falta de formação.
Nossos jovens têm uma excelente quantidade de informações, mas o que lhes falta são os crivos de uma boa formação, que cultive bons hábitos, valores pessoais, espirituais e sociais que realmente valham à pena serem desenvolvidos e praticados.
O fortalecimento das relações estáveis, como a familiar, tem dado espaço para as relações superficiais e efêmeras; os valores do bem social, cede cada vez mais espaço ao cuidado com a individualidade e com a pessoalidade; nos anos 60 a ênfase social estava no ser sobre o ter, no final da década de 70 e durante todas as décadas de 80 e 90 a ênfaseera do ter sobre o ser, nestes anos 2000 inaugurou-se a idéia do aparentar sobre o ter e sobre o ser.
Isto mostra uma perigosa inversão dos valores sólidos aos valores cada vez mais frágeis, pois a aparência é enganosa e fugaz, é volátil e insólita, e prende-se aos modismos e ao imediatismo, que no final não traduzem felicidade nem bem estar duradouros.
A ênfase no marketing pessoal, no egoísmo, no conjugar verbos no singular (eu, meu, minha) no lugar do coletivo coisificam as relações humanas e enfraquecem as próprias perspectivas de futuro.
Sem uma boa formação cultural, afetiva, social e relacional, todo este acervo de informações que se recebe não terá valor algum, funcionará como um verdadeiro plantar milharais sobre rochas.
Informação é muito importante para o progresso pessoal e coletivo, mas sem uma boa formação, as pessoas não saberão o que fazer com seus conhecimentos, pois não saberão como empregar socialmente o bem que receberam.
É imprescindível que não esqueçamos que todas as riquezas trazem responsabilidades sociais.

terça-feira, 30 de setembro de 2008

NOVELA DAS SEGUNDAS-FEIRAS - Capítulo 5

Solépatra, como todo voyer, mesmo se ardendo de ciúmes, assistiu todas as cenas e posições entre o jardineiro e a cozinheira. E assim, entre beijos, tapinhas, puxões de cabelos, balcão da cozinha, cabos de panelas... os ponteiros do relógio não pararam, e logo chegam nove horas, instante em que o telefone da casa chama, uma, duas, cinco vezes...
- Alô... diz a empregada com as faces avermelhadas e a voz ofegante... não, o seu Solépatra não está... como assim, ele veio para casa? como?! ele pediu pras... ligações... serem transferidas para cá? - ai meu Deus!! - a senhora quer deixar recado? Hum, certo, vou dizer pra ele... certo entendi...
- Meu Deus , Lêlê, o patrão está em casa!
Nessa hora Solépatra chega na cozinha e vê o casal despudorado na cozinha, numa imagem nada ortodoxa... sem dizer palavra vai à geladeira pega um copo de água, e sai... ao cruzar o limiar da porta:
- Esperam que tenham se divertido muito...
Em pânico, ambos não sabem o que fazer.
A cozinheira espera o tempo suficienteb para que Solépatra chegue ao quarto e lhe liga:
- Doutor, sua secretária ligou e disse que tem uns fiscais da Receita Federal querendo falar com o senhor, mas ela não disse onde o senhor estava...
- Obrigado................................... vadia.
Solépatra se veste rapidamente, desce as escadas e dirige-se à garagem. Na passagem pela cozinha ainda vê o casal semidesnudo, e não perde a oportunidade...
- Vocês sabem o que fizeram, e quantas vezes... sabem o que eu deveria e o que eu poderia fazer... talvez não saibam o que vocês devem ou irão fazer, mas quando eu voltar espero que já tenham se dedidido qual a melhor atitude de vocês...
Como sempre, Solépatra não espera que lhe dêem resposta e sobe em sua velha CG 125, e sai em direção à empresa...
"Os homens da lei não podem comigo, chegando nessa motinha, nunca desconfiarão que sou um homem de posses, há, há, há, há"
Brurururururuuuuuuuummmmmm, e a moto sai levantando uma fumacinha...
- Na cozinha, e agora meu bem... o que vamos fazer?
- Sei não, Lêlê...
AJUDE NOSSO CASAL DE AMANTES AMIGOS A DECIDIR QUE DECISÃO TOMAR!!!!!
VOTE NA ENQUETE AO LADO - AS VOTAÇÕES AGORA SE ENCERRAM NA QUINTA-FEIRA AO MEIO DIA

quinta-feira, 25 de setembro de 2008

Família de Dayse

Eu até pensei que papai e mamãe fossem se separar. Eles brigavam tanto, que eu achava que eu seria a próxima menina da escola que chegaria tristinha na sala de aula e contaria que meus pais não se amam mais, e que a professora me daria toda a atenção, me perdoaria a nota baixa em Matemática e diria que não tinha problema se eu faltasse aulas naquela semana.
Todos os meus coleguinhas da escola têm seus pais separados, só não eu, a Esforência e o Luciângelo. Alguns nem conhecem seus pais, como a Risa, a Marcedolina, a Di, a Zi, o Pauên, o Igo e o Xenofonte.
Outros não conhecem a mãe, como a Socorrilda e o Milzo.
Vivi, Mênho, Joetilço, Bebé e Piér não conhecem nem seu pai nem sua mãe.
Brino, Rogelson, Edinelso, Chikin, Toín, Nebozaradão, Manelito e Beócia moram ou com a mãe ou com o pai, mas conhecem os dois...
Assim, eu estava me sentindo a ovelhinha negra da sala.
Saí pra escola, como sempre, com vontade de pertencer ao grupo das crianças com pais separados, afinal ter família organizadinha: papai, mamãe, filhos, tios, vós, hora-de-chegar, hora-de-sair, hora-de-dormir e de-acordar, tudo organizado, igreja aos domingos, fardinha limpa e engomada, deveres de casa todos feitos, era tudo muito chato!
O bom seria ser diferente do que se espera, chegar atrasado, chamar palavrão por qualquer coisa, não ter hora pra voltar pra casa, mentir pros pais e nunca ser descoberta (mesmo porque eles nem quereriam ter o trabalho de investigar a grande mentira que eu contasse), ser... ser... rebelde... isso sim seria o máximo!
Meus pais discutiam e eu saí pra escola sozinha:
- Não precisa se preocupar, papai, eu vou de carona com a Magali!
E vim a pé mesmo...
Quando cheguei em casa, vi duas enormes bolsas arrumadas na sala: "vão se separar, oba!!"
Meu pai desce a escada suado, com ar de cansaço... minha mãe desce atrás com a face vermelha e toda despendteada, e também com ar de cansada: "tavam brigando! Será que meu pai bateu na mamãe!?" - o ódio quis me dominar, mas o dominei.
Ainda parada na porta vejo meu pai vindo da cozinha com um copo dágua na mão, colcou a mão na cintura da mamãe virou-se pra mim:
- Filha... (para cada palavra que ele falava aparecia em minha mente um monte de imagens)
- ... Nós vamos... (vão se separar)
- ... Fazer uma viagem, ... (vão me abandonar, vão me deixar sozinha!!!)
- ... Já que hoje é quinta-feira santa... (vão passar o feriadão fora e voltarão com a péssima notícia do divórcio: ôba!!)
- ... Eu e sua mãe decidimos... (sei que foram eles que decidiram, e essa cara vermelha dela? esses risos falsos de vocês não me enganam... hipócritas... com essa carinha de desconfiados - sim, eu sei de tudo - eu sopu MUUUUUIIIIIIITO esperta!!!)
- ... E já chamamos sua Tia Verdûmena... (a Verde não, ela é muito direitinha, não vai deixar eu ouvir rock, nem dançar, nem dormir no sofá, nem comer na frente da televisão, vai querer que eu coma salada e peixe - árgh)
- ... pra ficar aqui em casa em nossa ausência (merda!!! eles é quem decidem tudo mesmo!!!!!)
- ... Nós vamos a Fernando de Noronha ( e eu?, eu sempre quis ir a fernando de Noronha, e vocês vão fazer essa viagem pro paraíso do Hemisfério Sul para se separararem!!!)
- ... Por isso, arrume suas coisas, que o helicóptero da empresa vai nos pegar no heliporto às 15 horas!!!
Voltamos depois da maravilhosa semana santa, e meus pais são tidos como exemplo de superação e muitos casais quando brigam dizem que queria que o seu cônjuge fosse igual ao meu pai ou à minha mãe.
Muitos têm raiva de nós porque somos a exceção da regra, e conseguimos viver bem, apesar de sermos muito diferentes.
É muito besta isso que eu vou dizer, mas eu amo minha família.
Perdoem, eu só tenho dez anos, sou mimada e naõ aprendi ainda as coisas ruins da vida

segunda-feira, 22 de setembro de 2008

Salto

Um homem solitário subia as escadas da morte, pensando sua desventura... sem pai, sem mãe, sem irmãos, sem amigos, sem filhos, sem mulheres, sem dinheiro, sem motivo algum para viver, nem para morrer...
- Em quem vou colocar a culpa pelo salto? Escrever bilhete suicida pra quê, se não tenho ninguém que o leia?... se não tenho a quem dar satisfação?...
- Só o vazio em minha mente e em meu peito...
- Não tenho memórias tristes ou boas para recordar, que me impulsionem a subir, nem a descer...
Passo a passo, degrau a degrau, cada vez mais perto do céu, cada vez mais perto do Inferno...
A escada que lhe levaria ao topo, não o levaria para baixo...
- Eu poderia estar subindo de elevador, mas poderia encontrar alguém no elevador que me dissuadisse do ato treslocado... a escada é mais solitária e mais poética...
- Ah, como é bela a vista daqui de cima, esse vento que me assanharia o cabelo se eu não fosse calvo...
- Cuidado ao subir no pára-peitos, se eu escorregar e me machucar não terei forças para o salto...
De uma janela no prédio da frente, um garoto tetraplégico, sentado em sua cadeira de rodas olha para cima e vê o homem... e acompanha com seu olhar incrédulo o vôo vertical, radical, último...
No caminho da descida o homem vê o menino, e vê que uma lágrima descia em sua face pálida de nunca ter sentido o sol - a pólio o havia acometido na primeira infância... o menino viu o homem passar rápido-raio por ele... o menino balança a cabeça dizendo não, meneando-a lateralmente enquanto a água salgada lhe escorria pelo rosto...
- Por que ele chora, se nem me conhece?... ah, se eu pudesse retornar ao topo, perguntaria a ele por que ele chora por algém que não conhece!!!
Olha para cima, e vê o roso do menino ficar vermelho de choro, mas a descida é rápida e não vê mais nada...
O vidro fechado da janela do menino não lhe permite ouvir o barulho surdo do contato do corpo contra o chão...
E o menino chora a morte de quem não conhece, e chora a sua triste vida, que também desconhece.

Novela das Segundas-feiras - Capítulo 4

Ao escutar aqueles ruídos tão familiares a qualquer adulto, Solépatra dá uma breve espiada pela porta da cozinha e constata o que temia: Alejandríssimo e Sofismática eram amantes... num tórrido momento de paixão, o jardineiro estava por trás da cozinheira, que debruçada sobre o fogão gemia qualquer coisa dizendo pra ele comer o seu prato preferido... Sorrateiramente, sem denotar sua chegada, Solépatra sobe ao seu quarto, abre o armário secreto, liga os monitores do circuito interno de televisão e assiste com admiração aquela cena nada sacra... Uma, duas, três... essa cozinheira é insaciável!!!! Uma, duas... esse jardineiro é um tigre feroz!!! Com ciúmes incontroláveis, Solépatra começa a"fumar numa quenga" (termo tipicamente nordestino, que significa ficou furiosamente incontrolável)!!! Como pode isso!!!?? Como estas coisas acontecem comigo!!!?? Com nítidos ciúmes, Solépatra começa a maquinar vingança! Mas qual o motivo de seus ciúmes? QUERIDOS LEITORES, SERIA MUITO INTERESSANTE SE VOCÊS VOTASSEM AÍ AO LADO OS MOTIVOS DE CIÚMES DE SOLÉPATRA, MAS TEMOS QUE DEFINIR DUAS COISAS NESTE CAPÍTULO:

Novela das segundas - Capítulo 3

Ao cair na enorme cratera feita pela chuva e ver sua BMW comprada com dinheiro espúrio, vindo do caixa dois de sua empresa de transportes, Solépatra abre num ímpeto seu porta-luvas, pega sua Magnum 44 - Parabellum, com cabo de madrepérola, toda niquelada, que brilhava tanto quanto brinco de perua em reveillon, olha para a multidão atônita com seu acidente, abre a porta de sua ex-possante-BMW e sai com a arma na mão...Pânico, gritos... vai atirar, vai atirar... corram... se deitem... uma babel daquelas na parada do ônibus...Solépatra tava nem aí pra gritaria e correria... desce do carro molhando sua bela Djon e enxarcando sua botas pretas italianas, feitas com couro legítimo de jacarés bebês recolhidos do criadouro natural do pantanal matogrossense, olha pro estado em que ficou seu carro:Pega de sua bolsa um bom e gostoso cigarrete cubano e aponta sua magnum para si...- Vai se matar... corram... não faça isso!! - Corram - algazarra...As pessoas das calçadas gritavam como galinhas em galinheiro que entrou raposa...Ninguém entendia nada, e qualquer um entenderia tudo...Acende seu cigarrete com a pistola-magnum-isqueiro... dá uma bela baforada e pensa com seus botões:- Viva o seguro total!!!O ar esnobe, estava cada vez mais esnobe... Solépatra vai à calçada e pede um celular emprestado de uma adolescente que via tudo... Ligou pro escritório:- Mande Agonivaldo vir me buscar... dá o endereço, e atravessa a rua para não ficar do lado daquela gente que só usa Avanço ou Très Brüt de Marchant.Quando sobe na calçada, uma Brasília 1900... e alguma coisa passa e levanta uma parede de água que lhe cobre... lhe lava da cabeça aos pés...Quando Agonivaldo chega, Solépatra pega seu celular e liga pra seguradora... e volta para casa... e manda recado para dona Sonambulina, sua secretária, que só irá trabalhar à tarde, e que transfira todas as ligações para sua casa.Ao chegar em casa, ouve aquele silêncio sepulcral... as crianças na escola... só o jardineiro e a cozinheira em casa, quando escuta alguns gemidos na cozinha...

domingo, 21 de setembro de 2008

Olhando e partindo

Olho para ti e não te vejo teu brilho outrora constante é fosco e tua viva perspicácia apagou-se. Procuro em teus olhos a chama vejo-os apagados, só cinza e tua pele que antes brilhava está seca... E te dou flores que preferia não dar beijo tua face antes quente e macia, agora fria e pétrida, e te dou o último adeus que preferia não existisse... mas te guardarei vivo em todos os momentos que a memória não apaga, nos risos que demos nas plantas que cuidamos juntos e até naquela velha blusa do flamengo, rôta, velha, rasgada, que brigamos e que traz as alegres memórias de nossos infindáveis jogos da adolescência... parte meu amigo e vá regando o gramado do céu e preparando um bom churrasco por lá porque não sei quando mas qualquer dia certamente me juntarei a ti, pra mais umas peladas celestiais.

terça-feira, 16 de setembro de 2008

Safira "discute a relação"

Conversava com casais de amigos e percebi como ficam aflitos quando um dos parceiros diz que precisam discutir a relação... Normalmente, quando queremos discutir a relação, estamos cheias de boas intenções - pensando que podemos edificar o "viveram felizes para sempre", porque esquecemos ou não sabemos que vivemos constantemente em mudanças. Eu não sou a mesma de ontem, nem você é a mesma pessoa que acordou hoje... nossos quereres mudam, amadurecemos, desistimos de coisas, desejamos outras coisas que não desejávamos... Como disse o mestre Raul "metamorfoses ambulantes" é o que somos. Não queremos encurralar os homens na parede e forçá-los a fazer o que queremos, mas de certa forma queremos, sim, que eles façam o que queremos, porque queremos que eles pensem como a gente e sintam o que sentimos... por fim, acabamos os encurralando e os cerceando de qualquer possibilidade de fuga. E para terem paz, ou nos deixa, ou nos conforta! E como a maioria dos homens não consegue acabar um relacionamento... Na maioria das vezes que queremos conversar a relação é porque alguns de nossos anseios, desejos ou pedidos não estão sendo atendidos e queremos mais atenção, mais carinho, um parceiro mais carrapato... às vezes, quase cantamos como Caetano "por que você me deixa tão solta, por que você não cola em mim", porque apesar de discursarmos sempre que não gostamos de homem grudendo, gostamos menos ainda de homem que não tem ciúmes, que não nos olha, que não nos telefona, nem nos nota. Não queremos ser um prêmio, um troféu... até queremos, sim, mas queremos mais que isso - queremos que nos dignifique a existência com o suprimento afetivo que carecemos. Quando estamos no período arredio, em que nem queremos ouvir falar em carícias, um chocolate sempre cai bem, porque a dose etílica das barrinhas, logo despertará à afetividade o desejo pelo afeto e pelo beijo... mas sem carinho, sem atenção e sem chocolate - meu amigo, pode esperar: vem chumbo grosso!! Quando o homem vem querendo discutir a relação, das duas uma: ou ele quer acabar a relação, ou quer nos mostrar que é sensível, porque tá doidinho pra nos deitar... e sabe que um homem sensível consegue isso com muito mais facilidade que um bruto, e nos faz delirar muito mais e melhor. Mas cuidado, minhas amigas, não vamos fazer de qualquer cois um motivo pra papo sério - o seu carinha quer assistir um futebolzinho vez por outra, tudo bem, faz bem pro ego masculino a roda de machos se vangloriando de serem os tais no esporte e na cama. Nós temos os cabeleleiros, as manicures, as costureiras, os banheiros em boates e barzinhos, os telefones (viva Graham Bell!!! VIVA!!!!) onde fazemos nossas rodinhas e falamos tudo o que queremos, mentimos, nos fazemos de vítimas e de vilãs, os fazemos de vítimas e vilões, esnobamos as que achamos mais bonitas e gostosas, aconselhamos as mais reprimidas e infelizes... mas nada de deixá-los muito soltos, eles gostam de se sentirem propriedade de alguém que finge que não os domina... Não exija dele o "eu te amo", nem o "eu também", mas meça-o pelo beijo, pelo abraço... ah, nunca faça joguinho, como mandar uma amiga ligar pra ele e passar a cantada, ele pode cair - aí você só cavou um buraco e encheu de lama. Aprendamos com eles, que fingem que confiam em nós para vivermos bem, e só discutem as coisas que realmente importa na relação - nunca exija que um porco voe, porque porcos não voam, e se seu porco voar, ele nunca mais volta!!! Não exija que ele seja o que não é, mas faça-o se sentir como ele pensa de si próprio... mas coleira curta, viu meninas, porque eles são mamíferos e reprodutores, que não avaliam muito o valor de sua fêmea se o negócio é cruzar, eles sentem o cheiro do cio feminino e ficam loucos... E, antes de tudo, saiba onde parar a conversa. Quando você perceber que o assunto está descambando para as acusações (lembrem-se que nós podemos acusá-los, eles NUNCA), ou para a falta de respeito, antes que chegue nesse ponto, entre com a frase: "pois é, meu bem..." e deixe o tom ameno entrar, mude a página do assunto e deixe o amor rolar... Grande beijo... PS: ontem li no Exagerado um texto sobre DR e senti-me muito impulsionada a falar sobre isso, então peguei um texto que eu já tinha há algum tempo, desenterrei-o, dei uma pequenas melhoras (ou pioras) e taí, prontinho pra vocês comentarem

segunda-feira, 15 de setembro de 2008

sexta-feira, 12 de setembro de 2008

Talício odeia alguém

Hoje o Mizerivaldo, irmão do Porranenhumagomes, fíi do Fracassildo Giramerda véi aqui nimin-a casa, fazê as pazes... brigamo quano eu tin-a uns 25 ano marromeno...
Brigamo pur causa da Margôt, uma moça que era linda como uma instáuta de mármre, até decidíi ficá cum Mizerivaldo, aí ela virô a Merdareth pra mim!!!
A casa dels pegô fogo na sumana passada e quano eu vi o fumaçá... corri pra socorre eles - tirei ele, a Merdareth, os buchudin dos netos dele e a fía dele que ta prein-a di novo...
Aí ele vêi todo amigo:
- É, seu Talíço, vin lhi agradicê pelo que você fez por min-a família
- Tudo bem - disse eu com aquela cara de paizage - tava nem aí pra ele!!
- Ainda bem que num existe mais dizavença entre nóis, né!? - dize ele, todo amiguin
- Num confunda as coisa, Mizerivaldo... eu nunca vô tomá uma cachaça contigo, nem cumê na tua casa, e voce num é bem vindo aqui... Eu num gosto de vancê nem di sua famíi-a... até odeilho vancês... mas eu num pudia dexá vancês morrê dexe jêto...
Ele ficô cum cara de poste!!!
Ora, ora, eu sô gente boa, sô do bem, como diz min-a netinha...

sexta-feira, 5 de setembro de 2008

Amor - e os dois serão um

"Amaram o amor urgente, as bocas salgadas pela maresia, as costas lanhadas pela tempestade... amaram o amor serenado das noturnas praias, levantavam as saias e se enluaravam de felicidade... amavam o amor proibido, pois hoje é sabido, todo o mundo conta..." (Mar e Lua - Chico Buarque)
A proibição feroz da mãe dele, os perseguia, e ele sabia que ela o mataria se pudesse, mesmo assim fugiam para se encontrar... no mar, nas grutas e cavernas, no meio ao milharal... ele a levava aos ares, flutuava entre as nuvens enquanto sua mãe não chegava...
A pequena aldeia que ela morava temia a fúria da sogra poderosa - arrasaria as lavouras e todas as pragas que pudesse vingariam violentamente sobre aquela gente tão pobre e tão mortais.
Ele era o símbolo da perfeição masculina humana; ela, a beleza e perspicácia feminina personificadas... quando se viam seus olhos ardiam de paixão e libido, suas mãos suavam perfume e seus sexos se desejavam sempre e mais...
O dia amanheceu meio nublado, como é comum no Mediterrâneo naquela época do ano, o casal de amantes se encontraram nas cavernas ao sul de Chipre, enroscaram suas pernas e num ardente beijo se despiram... ele a conduziu no braço, num abraço, às nuvens, subiram e se esconderam entre as densas nuvens-chumbo que se precipitariam sobre as lavouras, trazendo prazer aos agricultores e pastores... abraçou-o com suas pernas brancas e lisas e sentia seus sexos se afagarem, se penetrarem, se amarem... rodopiavam no ar...
Ah... tanto ardor, tanta felicidade, tanto medo... a sua sapiência divina percebeu a aproximação de sua mãe... ela vem furiosa à procura do filho - esse ingrato que se envolve com qualquer uma...
Mas ela não era qualquer uma... era a mais bela, mais meiga, mais gentil, menos dissimulada e mais perfeita criatura nascida de um ventre humano...
O medo, o amor, o desejo fizeram com que se abraçassem mais e com mais intensidade apertando-se, entranhando-se, tornando-se um só...
Num assaz que somente a divindade permite, Hermes e Afrodite se fundem num só corpo, indissolúvel, inseparável, uno - tornam-se uma só critura, hermafrodita, criando no Olimpo e na Grécia o primeiro ser que traz em si os dois sexos.

quarta-feira, 3 de setembro de 2008

Eu, por mim

Tenho chorado muito ultimamente... não sei bem o porquê, mas meus olhos logo choram... choro até assistindo propaganda... se eu fosse mulher teria certeza estar na TPM - MEUS NERVOS ESTÃO À FLOR DA PELE e oscilo facilmente (estou bipolar????)
Sinto falta de uma família para amar, amigos de infância para ler e conversar... todos os meus estão tão longe... tenho comigo minhas duas filhas, mas estão na adolescência e sei que lhes incomoda ver seu pai se derreter em carinhos - mantemos uma distância respeitosa e afetuosa, mas sem toques, sem abraços...
Sofro a falta de irmãos (somos onze), o mais próximo mora a 150 km, e não posso visitá-lo, pois vive viajando...
Sofro a falta de amigos de infância - nunca os tive... viajávamos tando que quando os colegas começavam a tornar-se amigos, tínhamos que pegar as malas e viajar novamente - a vida de viajante trouxe muitas experiencias boas e conhecimentos, mas eu quero a solidez das amizades... raízes... sinto falta de raízes, de algo que me prenda a alguém ou a algum lugar...
Ando tão falto disso tudo que enquanto componho este post já fui duas vezes ao banheiro lavar o rosto - afinal estou no trabalho e pega mal um tiozão de seus 43 feitos recentemente, ficar com olhos d'água...
Desculpem-me meus leitores, mas eu tinha que falar isso senão explodia... lá vem água de novo, bye

terça-feira, 2 de setembro de 2008

Safira fala de finanças

Contam que Sócrates gostava de passear diariamente pela feira de Atenas, que era enorme, supermovimentada e hipervariada, contudo,não comprava nada. Homem rico e conhecido todos queria que ele viesse às suas bancas, mas nunca comprava nada. Até que certo dia um comerciante lhe indagou porque todos os dias ele passeava na feira e nunca comprava nada. Sócrates respondeu: "Eu gosto de ver quantas coisas eu não preciso para viver bem".
Vivemos numa sociedade extremamente consumista e competitiva, meu carro tem que ser melhor que o seu, minha roupa mais bonita, meu perfume mais cheiroso ou mais agradável, meu vinho mais caro, meu emprego com mais vantagens ou melhor salário... mais, mais, mais, melhor, melhor, melhor... sempre e contantemente numa competição olímpica (falo como as competições olímpicas gregas, que muitas vezes só acabava com a morte dos concorrentes).
Contudo, algo que tem me chamado a atenção é que esta competição toda não é contra os outros, mas contra si mesmos - para lapidar meu ego, tenho que estar mais bela ou ser mais forte ou mais inteligente, possuir mais bens ou mais caros, usar grifes mais famosas - que nem sempre são de qualidade superior, para que eu me sinta melhor tenho que consumir...
Para quê ter uma Ferrari que parte do repouso a 100 km/h em 4 segundos, e puxa 300km/h em 15 segundos, se não posso dirigir a mais de 80? Para quê ter um computador portátil com 5 GB de RAM, 250 GB no HD, com todos os superrecursos da tecnologia moderna, se só utilizarei 4 GB ? Para quê tantos pares de sapatos, outros tantos de tênis e outras tantas sandálias, se só possuo dois pés? Pra quê 2 ou 3 automóveis na garagem se só utilizarei um?
Essa febre de consumismo faz com que as coisas tenham seus preços majorados e muitas pessoas não tenham acesso à sua propriedade ou uso...
Não precisamos de tanto para viver, precisamos, sim, de afeto, de pessoas, de amigos, de risos e sorrisos, de confiança e confiabilidade, coisas que cada vez temos menos porque cada vez o ostracismo nos ensimesma, e nos aleja do convívio social saudável.
É bom repensar o que realmente é importante para vivermos bem.

segunda-feira, 1 de setembro de 2008

NOVELA DAS SEGUNDAS - Capítulo 2

Este é o segundo capítulo da novela das segundas-feiras... houve um empate entre a segunda e terceiras opções na enquete, então, como sou democrata, acontecem as duas coisas: Solépatra cai com seu BMW em um enorme buraco, mas também desiste de jorrar lama nos pedestres da parada de ônibus. Não esqueçam de escolher o que acontecerá na semana que vem: CAPÍTULO 2:
Solépatra fez com que sua possante aumentasse para 130 km/h, mas viu ,naquele momento, que entre os trabalhadores, crianças e estudantes na parada, haviam alguns idosos e uma idosa em especial.
Nossa mente é muito rápida! Como centenas de pensamentos passam por nossa mente em frações de segundos!... ao ver aquela mulher, Solépatra lembrou-se de sua doce avó, que lhe ensinara a viver, desde seus cinco anos de idade, porque sua mãe morrera.
Uma vozinha ecoou em sua mente: "quem não respeita aos mais velhos, não merece respeito algum", num ímpeto lembrou-se que em altas velocidades a freagem deve ser feita em pequenos toques no pedal do freio, e Solépatra começa a reduzir a velocidade da BMW e brecou bruscamente... seu carro travou as rodas e patinou sobre a água nas ruas - se houvesse sido filmado, o filme poderia ser usado em aulas sobre aquaplanagem...
E o veículo veio reduzindo a velocidade, mas mesmo assim entrou naquela enorme poça de lama, de mais de seis metros de diâmetro...
As colunas de água que o carro levantou, não foram suficientes para molhar ninguém, o carro porém caiu numa enorme cratera de 80 cm de profundidade...
Atônitos, os que aguardavam o ônibus correram para socorrê-lo, mas não tinham como fazê-lo sem entrarem na cratera cheia de água, ficaram então aguardando para ver se ele estava Solépatra estava bem...
A lama das ruas, misturada às águas da chuva e à sujeira que saía do esgoto, entraram em sua BMW novinha, enxarcando seus bancos de couro legítimo e pondo em pane o computador de bordo...
Na queda, foram-se pras cucuias os amortecedores dianteiros, o eixo traseiro e boa parte da flandagem dianteira, lateral e traseira...
Seu lap-top também se perdeu, e com ele toda uma enorme gama de informações inúteis, como slides, curtas pornôs e fotos que capturara clandestinamente (como de sua vizinha trocando carícias com o porteiro do prédio vizinho, ou a moradora de uma casa de praia nua tomando banho de sol, dentre outras patifarias), alguns documentos sérios também se perderam, com o afogamento de seu computador de colo.
Entre pânico e pânico, Solépatra não sabia o que fazer, se chorava, se gargalhava em desespero, se ficava ali imóvel...
Solépatra saiu do carro em estado de torpor, as pessoas vêem lhe consolar, mas numa fúria desumana, Solépatra pega sua arma no porta-luvas do carro e...

POR FAVOR, AJUDEM-ME AGORA, VOTANDO NA ENQUETE AO LADO, O QUE VOCÊ DESEJA QUE ACONTEÇA, E ASSIM DAREMOS CONTINUIDADE A ESTA PIONEIRA NOVELA BLOGUISTICA...

domingo, 31 de agosto de 2008

Talício é safado

Home, dêcha de cunversa móle, pur quê nóis sabe que tudo que é gente no mundo já aprontô das suas suas. Veja só, você. Uma noite, eu tava viúvo da Verisgoberta e fui prum forró na casa do Eládio Formoso, que de formoso num tin-a nada. Paguei cum uma nota, más o homi num tin-a o trôco cumpreto, aí anotô na nota que mim deu, "falta 7 pru Talício". Lá pras tanta, cumas pitú na cabeça, cumecei dançá e veio uma mulé morena, de seios firme e anca larga... dancemo... mas quano la cuchichô nas min-a zuréi-a que quiria gemê... a pitú perdeu o efeito de moleza e pronto... mas cumé que a gente ía fazê insculhambação, se tava na cidade... naqueles tempo num tin-a esse negóço de hotel pra transá, que chamam de motel... Mas nm cuntei cunversa, peguei minha égua, sentei a cabôca e fumo... Seu Coronel Osérrimo tin-a umas propriedade pra banda do Cruzêro, e ele arresorveu lotiar... fezas rua, marcô os lote e pôs a venda... Quando passei pelo lote, entrei na rua principal, aspispôis entrei numa das que drobae pronto... A lua lá no céu paricia uma lâmpida, olhamo prus lado e num vimo viva alma... apeamo e cumeçamo as esfregação... Tin-a um amontoado de tijôlo e falei pra morena os quarto farto: - Girocema, vamos fazê aqui mermo... Antes que eu terminasse de falá ela já tava nua! Como num tin-a nada construído, se vin-esse alguém, de longe a gente via, már num vimo! Quano a gente acabô a safadagi que nóis fazia, a gente olhou e vimunvulto si proximando... - Ai, mer Deus, é um home! Pegue seu cavalo e vamosimbóra... - Num sei se é gente ô bicho, mar vá se vestino e logo procurei meu revórve... mas onde que eu ia pegá o tár, se min-a carça tava lá longe!? Nus vistimo rápido e apeamo no cavalo, aí inscutamo: - Gi, vem cá sua égua besta! - Ai, meu Deus, "Gi, sua égua besta" é como meu irmão me chamava... - E ele é valente? e num achava meu rivólve - Ele murreu há trêis anos! Até meu cavalo se arrupiô... e pusemo sebo nas canela... No ôtro dia fui lá vê o que tin-a acunticido... achei meu revorvi (sem nem uma bala dentro), min-a cartêra de din-êro (mais vazia que consciença de neném), as calçola da Girocema e as pegada... Vi as pegada de meu cavalo, as min-a e as de Girocema... mas num tin-a nin-uma pegada de ôtra pessoa... Arre égua, mim assustei, que arrupiô até o cabelo da alma... que nem liguei proc conto que perdi na cartêra.. dispois me fez uma falta!! Dois dias dispôis vi Girocema na cidade fazeno compras, quano cheguei perto, ela fêz de conta que nem me cuin-ecia... tudo bem, ela pode falá com quem quizer, pensei. Mas aí vi que ela tava pagano as compra com a nota "falta 7 pro Talício"... Olhei pra cara da vagabunda e dixe: - Êxe din-êro é meu, e você sabe... - Mas, mas... - Tà aqui inscrito, e sumiu naquela noite da safadagi... Peguei meu din-êro e fui simbóra, pensano: Se ela tivesse cobrado, cum certeza eu teria págo máis din-êro do que ela ficô... tem cada besta nexe muno.

sexta-feira, 29 de agosto de 2008

Rapidinhas...

- Hoje ouvi de um político a meu respeito: ninguém te chama para compor frente política porque os que estão no poder acham que você é de esquerda, porque os critica, fala o que quer, não se vende, nem aceita qualquer tipo de perseguição ou injustiça - os da oposição não te chamam, porque os critica, fala o que quer, não se vende, nem aceita qualquer tipo de perseguição ou injustiça! - Pô, senti um baita orgilho de mim mesmo...
- Ontem sem ter o que fazer, assistindo o capítulo de "A favorita", vi esta cena: Tarcísio Meira comentava com sua família sobre a gravidez de sua neta adolescente e da loucura que ela cometera... a avó da menina concorda e saiu com essa: e ninguém sabe quem é o pai, pode nascer daí um marginal, um negro, ou um outro bandido qualquer"... que bosta!!!
- Se procurarem no TRE-CE e procurarem pelos candidatos a Prefeito, verão na declaração de bens de um "João Muniz Sobrinho" que ele detém um patrimônio declarado que passa os R$ 17 milhões, contudo se forem ver com detalhe pasmarão: há fazendas com mais de 100ha no valor abaixo de 3 mil reais... - tem jeito esse Brasil?

Ria, afinal o final de semana vem aí....

-Mãe por que o papai tem pouco cabelo? -Porque ele é muito inteligente. -E por que você tem tanto cabelo? -Cala a boca e come logo essa sopa muleque! =-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=- Uma tartaruga caminhava por um beco quando foi assaltada por uma gangue de lesmas. O detetive que investigava o crime perguntou se ela podia explicar o que havia acontecido. A tartaruga, com ar confuso, respondeu: 'Não sei, tudo aconteceu tão depressa!' -:-:- No meio de uma cerimônia de casamento, Joãozinho pergunta: - Mamãe! Por que toda noiva se veste de branco? - Porque é o dia mais feliz da vida dela! - responde a mãe. - Entendi... E por que o noivo se veste de preto? -:-:- Dois coelhos numa mesa de bar iniciam uma discussão. 'Dormi com a sua mãe!', grita um deles. As atenções no bar se voltam para o coelho ofendido, que não reage. 'Dormi com a sua mãe!', repete o primeiro. O outro finalmente responde: 'Vá para casa, papai, você está bêbado!' O coração é meu, pode doer, mas o semblante é do próximo...

quarta-feira, 27 de agosto de 2008

Ai, ai, ai da Olimpíada de Pequim

- O preconceito fez a cena de "Cantando na chuva" se repetir... uma menina mais bonitinha dublava a mais feinha que tinha bela voz... - como a China é um país totalitário a mãe da verdadeira cantora teve que dizer à imprensa que sua filhinha não gosta de cantar em público - se não gosta, porque participou do concurso?
- Nunca, em Olimpíada alguma, a apresentação da abertura foi tão "cinematográfica"... não falo isso por causa das apresentações, mas dos efeitos especiais e das montagens para a transmissão
- Na equitação um espanhol montou o circuito tão difícil que pouquíssimos conjuntos (cavaleiro e cavalo) conseguiram zerar o circuito
- Quando atleta, nos jogos escolares, um colega teve a medalha tomada porque fez hora com os demais corredores que vinham beeeeem atrás dele, mas o jamaicano quis mais se vangloriar da vitória que zombar - será????
- Tudo bem, o cara ganhou 8 medalhas muito merecidas, mas a água menos densa e hiper oxigenada ajudou muito aos atletas ficarem mais leves...
- Ao meu ver, a maior vitória da Maggi foi ter passado por cima daquela história de dopping, mesmo depois de abandonar o esporte, e retornar vitoriando
- O fiascobol brasileiro masculino foi um show para los hermanos, ao ponto do Maradonito descer da tribuna e zombar da gente no campo... mas me respondam, porque é que estes treinadores da Seleção Brasileira colocam o Ronaldinho (atacante desde a infância) na posição de líbero? o cara não deveria ter sido escalado pra ficar no ataque e não armando jogo? É o mesmo que num vôo mandar o comandante do avião limpar vômitos no corredor ou servir cafezinho - "cada um no seu quadrado, no seu lugar" (kkkkkkkkk)
- O fiascobol feminino contou com o salto alto, mais uma vez... quando no Bom Dia Brasil, Cristiane e Marta disseram que dormiram como anjos, pensei: "auto-confiança na véspera de decisão simboliza derrota"... todo mundo sabe que na véspera de coisa importante a gente não consegue dormir de ansiooso, a não ser que a arrogância nos domine... bem feito!!!
- A apatia nos voleis masculinos só podia dar no que deu... bem feito também!!!!
- O Brasil perde finais porque a auto-confiança se mistura com o deboche... no decorrer de torneios ou campeonatos, o time vai ganhando, ganhando, ganhando e ficando auto-confiante e aí cai na burrice de achar que tá fácil - alhos e bogalhos!!!! é claro que a cada nova rodada as equipes vão ficando cada vez melhores, e os jogos tendem a ser mais difíceis... mas aí se confiam não sei em quê e... pow - chumbo!!! Bem feitissimo!!!!
Tudo isso só pra dizer que neste período de alienação nacional, o Galvão fez o papel para o qual é pago, e a Globo pôde desviar as atenções do país... como tá a CPIzza das ONGs? o Lulismo nos palanques? até perdão de dívida federal ele vai dar! sabiam que o mega-giga-traficante foi deportado pros EUA, sem dizer à justiça brasileira onde estão os zilhões de dinheiros escondidos no Brasil e quem são seus cúmplices, e ajudar a desmontar os esquemas?
Ai, ai, ai...

Ria um pouco

O médico disse ao paciente que entrou muito mal no hospital: - Amigo, sinto lhe informar que você só possui 5 minutos de vida... - Que é isso doutor!!! O senhor pode fazer alguma coisa por mim???? - Bem... serve um nissin miojo? O que é uma piada? É o rompimento bizarro, sádico ou ilógico, mas repentino com a lógica de uma narrativa... o espanto à novidade cria no ser humano o reflexo pelo retorno à situação anterior, contudo a bizarrice, o sadismo ou a ilógica não permitem que os condicionamentos mentais sejam refeitos tão rápido, então o escape do cérebro ao descontrole mental é uma forma de fuga, criando um hormônio do prazer, que leva ao riso... se for muito, leva à gargalhada. O mesmo dispositivo acontece após um gostoso beijo na pessoa amada - perceba que sempre após um beijo gostoso, a pessoa sorri...

segunda-feira, 25 de agosto de 2008

Novela das segundas

Hoje estou vendo se consigo inaugurar uma novela na net... ela funcionará da seguinte maneira: vou postar uma pequena história e no final deixo duas ou mais opções do que poderá acontecer, então as pessoas que me lêem podem votar ao lado que continuidade prefeririam que acontecesse, assim, na próxima segunda criarei o segundo capítulo usando a alternativa mais votada. Construiremos juntos, assim, o enredo, a trama e os finais... espero que gostem da proposta:

Hoje, Solépatra, acordou de mau humor - o que lhe era normal - e na saída de casa foi logo dando suas ordens:

- Ésquilo, quando voltar da aula, corte a grama; Sócrates, lave o carro de sua mãe; Ariádne, lave a roupa e os banheiros - seu cachorro corre ao seus pés todo animadinho, mas Solépatra deu-lhe um chute nada animador... pegou o belo BMW comprado com dinheiro desviado de sua empresa de transportes rodoviários e saiu ao trabalho.

Havia chovido muito à noite e as ruas estavam cheias de poças enormes de lama... Solépatra, não desviou de nenhuma, principalmente se haviam pedestres para serem molhados... aumentava a velocidade e uma parede de água erguia-se dos pneus de seu possante, arremetendo água suja nos pedestres que íam bem limpinhos ao trabalho, e nos estudantes que saíam para suas aulas...

Quando de longe ele percebe uma enorme poça, e na calçadas umas vinte pessoas aguardando o ônibus... sua alma má ri diabolicamente: esse banho vai ser daqueles...

- VRUUUUUUUUMMMMMMMMM - aumenta a velocidade e se arremete ao centro da poça dágua...

AJUDEM-ME: E RESPONDAM NA ENQUETE AO LADO O QUE VOCÊ DESEJA QUE ACONTEÇA!!!!

domingo, 24 de agosto de 2008

Safira fala

O tempo é uma das verdades mais incontestáveis, talvez por isso as civilizações mais antigas tenham adotado o deus Tempo como o pai de toda a criação. Muitos de nossos males são curados somente pela ação do tempo sobre nós e sobre nossas feridas. Mas o que me faz postar hoje, é a relação que o ser humano tem consigo mesmo, no decorrer do tempo. Quando criancinhas, a falta de noção de tempo nos faz sofrer com a dimensão que os sentidos nos permite - sofremos a fome, a sede e a fralda molhada; a falta da visão da mãe ou de alguém querido nos faz sofrer de solidão, e choramos... mas o tempo passa... e passa... Nosso intelecto começa a perceber a existência de coisas invisíveis, e tudo começa a se complicar: pois dizer "sim", às vezes, quer dizer "não"; dizer "pode ir", às vezes, significa "não vá"; às vezes "passe lá em casa" quer dizer "vá e não volte nunca"; "te amo", às vezes, assume o sentido de "perdoe-me e não falemos mais nisso"... e o que é pior em todas essas ambigüidades de sentidos é que muitas vezes não conseguimos entender ao certo o que a pessoa ou nós queremos dizer... Como eu sou uma mulher virtual, posso ter a idade que meu leitor imaginar - olhe que digo virtual, não irreal, porque sou real, tenho minha vida, minha história, minhas idéias e sentimentos, contudo não lhes sou conhecida, só quem me conhece realmente é o Ótimos (meio como "S1mONE" - do filme homônimo)... e isso complica ainda mais para eu me fazer entendida pelas pessoas.
O fato de eu ser mulher dificulta muito me compreenderem, pois nem sempre falo a frase ou o pensamento completo, por supor que já fui compreendida... outras vezes as coisas são tão óbvias para mim, que não consigo entender como pessoas inteligentes não perceberam...
Mas o melhor de tudo é o poder mudar de opinião, de gosto ou de querer a qualquer momento, sem dar explicações nenhumas a quem quer que seja: "não vou mais de vermelho!" , "por quê?" , "porque meu ânimo mudou, vou de preto, sem sutiã, ou vou de bege com rendas íntimas cor-da-pele ou... nem vou mais... os noivos que se danem... vou é pra balada!"; sim, mudar de opinião e ver todos olhando uns pros outros com aquela cara de babaca: "quê que é isso!!!"
Nosso ânimo muda, não por estarmos mais velhas, ou mais experientes, ou na tpm, mas pelo simples fato de estarmos vivas e de sermos mulheres pelo resto de nossas existências - sendo assim, pude mudar quatro vezes o tema deste texto e mesmo assim ser compreendida.
Ou não!?

sexta-feira, 22 de agosto de 2008

Talício e o blogue

Min-a nossa sin-óra, já tô ficano vinciado nesse negóço de falá bestêra no computadô! E pensá que a primera vêiz que eu vi um negóço desses me benzi tão rápido que Deus quase nun intendeu o que eu dizia. Mais leno os diverso blogue, eu vi que todo muno diz que isso vincia, que dispôis que cumeça num sabe pará, eu dizia credo! Deus me livre dum negóço desse. Mas fui contano pru seu Ótimos as história que cunheço e num deu ôtra, fiquei cuin-ê-cido e num pude dexá de gostá... Mas nada é tão com como andá no currá, com min-as vaquin-a, cum vento fresco na cara, ouvino o meu cachorrin-o latino pros preá e na tardin- deitá na min-a rede de tarrafa no alpendre da casa, puxá um cigarrin-o acompain-a-do do café e vê lentamente o sol sumir enquanto a noite surge como uma noiva, bonita e aguardada com siedade... Vixe, já tô ficano de coração mole como esses pessoár que inscreve nos blogue deles!!

quinta-feira, 21 de agosto de 2008

Mano Marcos

Eu sou um homem sem palavra, mesmo... olha eu postando... Mas, como não postar hoje, quando meu irmão completa aninhos? Há alguns anos eu o conheço, mas nunca o conheci de verdade. Isto sempre acontece entre irmãos em família numerosa - ele é o quinto entre onze. Capaz, ético, muito inteligente e possuidor de uma perspicácia invejável, sempre tem uma opinião sobre todos os assuntos, dos mais polêmicos aos mais pueris. Eu, como o oitavo nesta constelação de filhos, sempre nutri algumas admirações por cada um. Por Rodolfo, o Marcos do Esculacho e Simpatia, minha maior admiração é por sua intelectualidade e humor - com facilidade titânica em fazer amigos, sempre nutriu uma postura ilibada e ética. Marcos tem sido um marco, perdoe o trocadilho, e uma referência em nossa família no que diz respeito às artes e ao humor sarcástico... e foi quem me inspirou a iniciar minha vida de blogueiro. Parabéns, Mano véi, pelo segundo livro e por mais um ano de vitória, mas o parabéns deve ser maior ainda para todos os seus amigos, irmãos e mãe por termos a oportunidade de te termos estes anos todos... Grande e afetuoso beijo...

quarta-feira, 20 de agosto de 2008

Respondendo Débora

Não que eu não goste de selos, nem memes, nem mimos, mas é que sou veio apressado nas coisas e meio burrinho quando se fala em Informática, por isso nunca respndi a um meme, e nunca colei um selo... mas a esta minha grande amiga e assídua visitante de minha casa, que já tem até uma cadeira cativa a minha mesa, eu não poderia deixa de responder... Ela me perguntou que 5 livros, 5 filmes e 5 músicas eu levaria para uma ilha deserta: - Livros: . manual de escotismo (nunca se sabe) . quatro que ainda não tenha lido - Filmes: . A noviça rebelde (adoro aquelas músicas) . Spartacus (o primeiro, com Kirk Douglas) . Sobrevivendo - Parte II (documentário da Discovery Channel sobre como sobreviver em locais ermos) . Cosmos (comentário de Carl Seagan) . um filme virgem para gravar o tempo que estive na ilha, depois editar e ganhar um Politzer (pretencioso, não) - Músicas: . We are champions (dá um puta ânimo a gente) . Jogo de futebol (Skank) . três músicas bastante divertidas e alegres, pra não cair em deprê Claro, se fosse pruma ilha deserta... se porém, a pergunta fosse: diga 5 livros, 5 músicas e 5 filmes que você levaria numas férias... as respostas certamente seriam outras... Fiz o dever de casa, Débora? Bem, agora eu passo a bola pra 3 pessoas, que talvez nem respondam, mas que eu gostaria de ver suas respostas: Mano Marcos do Simpatia e Esculacho Fabby - Vênus, do Apenas Palavras e Bruno Leonardo, o cabra mais Exagerado da blogosfera... Como eu sou filho-da-mãe mesmo, peço que Lomyne também me responda... Existem outros que eu gostaria de ver respondendo, mas fica proutra ocasião
"Todo remédio que me cura, tem uma contra-indicação"
Rita Lee
(In: Modinha; Disco: Bossa'n roll - ao vivo)

terça-feira, 19 de agosto de 2008

Acho que passarei alguns dias sem postar... Motivo? Tem que ter motivo? Bem... eu acredito que meus comentários são melhores que meus textos, então vou passar uns dias só lendo os blogs que tenho linkado, fazendo comentários e dando espiada em outros e outros blogs, conhecendo novos escritores e novas idéias... Se eu sentir falta de escrever, fá-lo-ei... Fá-lo-ei, fa-lo-ei... que palavrinha mais sugestiva... Bem... é isso aí!!

segunda-feira, 18 de agosto de 2008

Safira fala de corrupção

Quanta incongruência nos dimensionamentos cognoscitivos dos constitucionantes representativos das urbes, quando conjecturam sobre o pretérito das atitudes de seus pares ou quando prospectam as vindouras hipérboles e metáfóricas ações que protagonizarão. Procrastinam as tendências filosóficas com que procuram usurpar os intelectos, para que massa de legitimadores de suas posições oligárquicas e perenes possam ser ludibriados incontestavelmente e fiquem silentes ante o que virem a executar... E assim é a política partidária-administrativa no mundo.

sábado, 16 de agosto de 2008

Dizem que o mar representa o Amor...
Dorival vai agora cantar o mar e o amor
Na eternidade
Sua inconfundível voz
Seu jeito maneiro de cantar
Vão agora encantar
As falanges...

Rosas em meu coração

As flores que enfeitam meu coração
são todas rosas
que perfumam, embelezam
e me chamam para mim...
Há rosas que vivem em meu peito
e delicadamente suavizam minhas dores
e me ensinam a viver...
Todas as flores de mil pétalas
que estão em meu coração e mente,
seus espinhos me sangram,
porque todas as belezas
têm seu preço e sua dor,
e me sangro todo
até verter toda a seiva de minha vida
em gotas vermelhas de vinho
destiladas pela esperança
de eu exilar meu próprios perfumes.

sexta-feira, 15 de agosto de 2008

Planejamento Familiar

Por incrível que pareça estes dois fatos aconteceram durante uma campanha desenvolvida na década de '80 para planejamento familiar numa comunidade da periferia de nossa cidade. Após palestras com slides, filmes e grupos de disxussão na sede da associação de moradores, distribuímos preservativos entre os presentes. Um mês depois, retornamos à comunidade para verificar como estava sendo a adesão ao uso dos preservativos e às novas condutas da população acerca da consciencia sexual. Uma senhora nos disse: - Moça (fiquei toda alegre afinal já faziam anos que eu passara dos vinte), a gente coloca a camisinha de manhã cedo, e meu marido só tira pra mijar e pra transar!!! E outra senhora se queixou: - Olha, a gente coloca, aí pra ficar mais bonitinho a gente corta aquela pontinha feia que fica sobrando!!! Com isso aprendi que em educação popular a gente tem que usar a linguagem e a lógica do povo, que nem sempre é a nossa linguagem e a lógica !!