sábado, 15 de março de 2008

Safira poetiza: Tua indecisão


Enquanto pensas em vir e te decides ficar
minha mente pagã já voou pra bem longe
encontrando outro riso outra fonte da vida
para bebericar o nectar da vida
que me impediste beber...
e se não te decides por mim
não decidirei em teu lugar,
se preferes ficar pensando que posso ser
a tua pessoa ideal
já tenho certeza que sou a pessoa ideal pra mim mesma!
Não preciso de tua aprovação para ser feliz
nem precisas da minha compaixão para te perdoar.
Ficas assim inerte,
sem decidir
sem nada fazer
só fugindo de dizer que me amas
e que me queres pra ti
como te quero meu,
E esta tua inércia
te afasta de mim,
porque não bastam tas mãos,
teu cólo, teu riso...
não me bastam teus conselhos,
teu corpo, teus fluídos...
não me bastam palavras
e sonhos e... nada!
Como não te decides por nós
me decido por mim,
retomo as rédeas de minha vida,
se sofrerei ou se viverei mais intensamente
são preços que ouso pagar por mim mesma,
pois toda a indecisão tua
me levam a decidir-me por mim,
não decido por ti,
não decido teu querer,
decido, sim,
não aguardar mais tanta indecisão.

4 comentários:

BRUNO LEONARDO disse...

Oi,amigo
Adorei essa poesia..e pelo momento que estou passando em minha vida poderia ter dito que foi escrita por mim...isso se eu fosse poeta como vc..Parabéns!Posso mandar para alguém?(com os devidos créditos,claro)
Abração

Anônimo disse...

Não decidir nada, já não é uma decisão?

Vênus disse...

Olá,querido
Também sou assim..sempre decido por mim...Muito bom..Ótimo!

bjs

Van disse...

Raspas e restos NÃO me interessam....