terça-feira, 3 de junho de 2008

Safira fala de bigamia

Estive passeando pelas páginas bíblicas e achei um caso de bigamia que me chamou muito a atenção. Não, não se preocupem que não vou entrar nessa de condenar os costumes do povo do tempo bíblico, eram outros tempo, outra nação, outra realidade...
Bem, primeiro vou narrar rapidamente a história, depois comento:
"Jacó encontrou Raquel e se apaixonou por ela, pediu-a em casamento. O pai dela, para consentir no casamento fez uma exigência: Jacó trabalharia para ele por sete anos. Passados os sete anos, Jacó foi enrolado pelo sogro que deu-lhe por esposa a caolha Lia (ou Léia), com a desculpa que não é costume a mais nova casar antes da mais velha. Jacó então se propôs trabalhar mais sete anos pela mão de Raquel, contudo casaria logo e passaria os sete anos trabalhando. Feito o acordo, Jacó tinha duas esposas, mas pela ironia do destino, brincadeira de Deus, azar ou sei lá o quê, Raquel era estéril. Assim Lia deu a Jacó 6 filhos e uma filha. Raquel tomou sua escrava e deu pra Jacó ter um filho com ela (pensando se a ecrava é minha, sua cria tambem será), Jacó topou e ó: dois filhos da escrava; Lia, viu que Jacó queria era furunfar e deu a ele sua escrava também e, pimba, mais dois filhos. Aí Raquel pariu também, primeiro José e depois, Benjamim. Raquel morreu no parto de seu segundo filho."
Muitos leitores bíblicos entendem que Raquel representa a mulher-carne, desejo do homem e Lia como a representação da proposta-de-Deus, pois ela teve como número de filhos a soma dos filhos da irmã e das escravas, e porque é da linhagem de Lia que vem Jesus, que era da tribo de Judá (segundo filho de Lia).
Pensemos quanto estas irmãs-mulheres tiveram que se aturar, quantas rixas, quantas queixas, quantos queixumes a Jacó, quantas brigas e ameaças, o negócio foi ma baixaria tamanha, que uma irmã pagava pra outra:
- Mana hoje tô doida por uma noitadazinha com Jacó, quanto vc quer pra eu...
- Tanto...
- Ok
É, minhas amigas, as duas viraram cafetinas e freguesas para o uso de Jacó, o pau-de-mel. Até s mandrágoras (que elas consideravam afrodisíacas e fertilizantes) eram negociadas entre elas. Mas (sempre tem um mas)... Raquel roubou as estatuetas de seu pai, no di em que iriam mudar-se para as terras do pai de Jacó.
Furioso, o sogro de Jacó partiu ao seu encontro:
- PQP cara, como é que você, além de levar minhas filhas embora, ainda rouba meus ídolos?!
- Roubar, eu!? - aí Jacó amaldiçoou Raquel - Que Deus me julgue, e morra prematuramente quem tenha te roubado os ídolos!
O velho, muito chateado saiu procurando as estatuas sem nada achar, quando chega para Raquel, ela sentara-se sobre os ídolos dentro de um alforge:
- Pai, tô menstruada e ainda não inventaram absorventes, nem calcinhas, então se eu levantar vai ser aquele vexame...
- Ok, filha!
Ainda jovem, cerca de 25 anos, Raquel ao parir Benjamim, morre. A mulher era tão sórdida que morrendo diz que seu filho deve ser chamado de Benoni (filho de minha dor - ou filho de minha morte)... imagine ele levar a culpa da morte de sua mãe no nome...
Jacó deu-lhe o nome de Benjamim (filho de minha maturidade, ou velhice), pois lhe seria o último filho.
Depois da morte de Raquel, saem do cenário bíblico Lia e as duas escravas...
Hoje, somos tão donas de nossos homens que, sabendo levar, comem bem miudinho em nossas mãos, basta deixar que eles pensem que estão decidindo. Como foi com elas...
Devemos brigar com eles? sim, mas sempre estar disposta a perdoar, lembrando que estar disposta a perdoar, não quer dizer perdoar, mas deixá-lo saber que podemos perdoá-los se... e aí barganhamos o que queremos...
Passados alguns dias, se eles não aprontarem outras, desenterramos o erro do passado para coagi-los, para que se sintam na defensiva, e possamos barganhar novamente atenção, carinho, saídas, genilezas, uma viagem à praia, uma hiper qualquer coisa...
Temos algumas vantagens, que eles não me leiam, que fazem toda a diferença: nossa voz, que amacia facilmente e comove o coração masculino mais duro; o diabo da virilha, que faz com que o homem morra ou mate por ele, que o deseje sempre, que o persiga e o use, sempre que nós queremos, porque temos as enxaquecas, as indisposições femininas; e a maior vantagem, menstruamos e sentimos cólicas, mesmo quando não sentimos.
Vocês já viram a carinha de bom moço quando nos contorcemos de cólica? Não é lindo senti-los tão assim, assim... domados?
Em certa época do mês estamos frágil, chorona, dengosa - tudo o que queremos é um homem gentil, dócil, carinhoso; noutra fase, estamos zangadas, arredias, violentas, e precisamos de um homem que decida, que seja macho, que nos olhe com ar de comando, mesmo sabendo que a palavra final é sempre nossa; noutro momento, queremos tudo e precisamos de um tarado, um poderoso macho-da-raça-humana que nos domine e nos possua n vezes no dia; e outras vezes queremos ficar só, não queremos nada de nada. Mas a todo momento queremos que ele adivinhe em que fase estamos e supra nossas carências, senão eles serão rotulados de incompreensíveis, insensíveis, brutos, bananas...
Lia e Raquel bem sabiam disso, que conseguiram manter a relação com Jacó estressando-o sempre para tê-lo à mão, mas dando a ele a certeza que ele é que queria fazer a vontade delas.

2 comentários:

disse...

Olá,Rui,como vai,Safira??
Este texto está demais...por isso é que sempre digo que blog tb é cultura..não sabia dessa história da Bíblia..Claro,que já ouvi falar de Raquel e de Lia,mas não sabia que foram mulher de Jacó e nem ao menos que Benjamim era filho deles..rsrs
Mas,o que imoporta é a conclusão de safira:vamos mandando,manipulando e deixando que els pensem que são els que mandam..Para isso,usamos nossas armas,não muito honestas,mas que não falham jamais,se o homem for sensível,deixe bem claro,Já vi homens dando tapa atrás de orelha de mulher porque ela estava acamada e não fez o jantar..rsrs

Agora a novidade.Sou a Jô do antigo Biscuit...que subiu no telhado junto com a Claude...
Ela,muito preguiçosa,não queis mais postar e eu fiquei sozinha.Resolvi mudar o nome e a proposta do Blog.Agora é "Cuidado com o Cachorro",onde ando soltando meu cachorro por aí...pu melhor por lá..
Não te avisei antes pq vc sumiu...
Aí vi seu recado lá no Blog da Vênus..
Vou te linkar novamente e passar a te visitar outra vez,ok??

Grande beijo

Flávia & Kbça disse...

hmmm. como um ateu sem o menor interesse por bíblias... claro que não faço a mínima idéia do que está falando, mas ao que me parece, isto está mais para um conto real adaptado para uma novela!

e é engraçado que pela segunda vez vejo essa conclusão, que nós, homens, devem ser tratados assim, fingindo que nós que ditamos as regras... essa mulherada... rsrsrs

até.